Padre Marcelo e o duplo boicote

No último dia 19 o blog de notícias Fratres In Unum publicou uma nota do Vírgula sobre uma entrevista concedida pelo padre Marcelo Rossi à revista Veja. Nela o padre fala sobre a visita do Papa ao Brasil e sobre a condição sacerdotal. Os trechos interessantes desta entrevista são os seguintes:

“Eles capricharam na humilhação. Além de nos colocarem pra cantar de madrugada, eu e o padre Jonas (ABBC, fundador da Comunidade Canção Nova) fomos barrados. Na entrada, fomos informados por um agente da Polícia Federal de que, com o nosso tipo de crachá, não teríamos acesso ao palco, mas apenas à plateia, apesar de escalados para fazer uma apresentação. Ficamos lá, esperando num frio danado, de madrugada, com a garganta doendo, até sermos liberados”
“Algumas mulheres conseguem até o número do meu celular. Já alertei o Fábio [o padre-cantor Fábio de Melo] para que não deixasse de usar batina. E ele está usando, por acaso? Bem vê que eu não tenho influência sobre ele”
Eu tinha pensado em começar meu comentário dizendo que era bem feito para ele para o Monsigneur Jonas Abib, mas aí logo vão dizer que não é algo cristão achacar quem teve a realização seus sonhos negada de forma tão fria e desumana (snif!). O caso é que o Padre Marcelo diz que “alerta” ao padre Melo  – no que faz muito bem! – o mal que o desuso da batina pode acarretar. Mas triste e cabisbaixo ele diz que não tem influência sobre o outro cantor que, por acaso, também é padre. E como poderia?

Pergunto isso pois fato é que há alguns anos, e antes de reativar o Battle Site, eu fazia parte de um Círculo Bíblico com fortes tendências pentecostais (não me orgulho disso, embora também não me arrependa de tudo daquela época). Nas reuniões a gente tocava uma música de autoria protestante que era apresentada no programa de rádio do Padre Marcelo. A letra é esta aí embaixo:

Já na alva luz do dia raiar
Lá estava a cena que me impressionou
Um anjo preso a Jacó
Que por sua benção lutou, jamais desistiu

Não largava o anjo
Ele muito insistiu
Não sairia dali sem suas bençãos nas mãos
De tanto ele insistir o anjo lhe tocou
E abençoado ele foi

Preciso de uma benção
Não vou desistir
Sem ela eu não vou sair daqui
Só saio quando o Senhor me tocar
Não posso mais ficar sem te sentir
Nada vai impedir a unção de Deus sobre mim

Não vou comentar exaustivamente esta canção como eu fiz com a musiquinha do Zaqueu. Mas notem que o eu-lírico tem uma atitude insolente diante de Deus – “sem ela [a bênção] eu não vou sair daqui!” – como se fosse direito dele e obrigação de Deus abencoá-lo, exatamente como aquelas pessoas que dizem que não vão sair da loja sem trocar sua mercadoria estragada. Aí algum Zé Corneta pode dizer: “Ah! Mas Jacó também foi insolente!” Foi sim! E foi punido por isso! O toque do anjo de que a música fala foi justamente essa punição: Jacó teve o músculo da côxa paralisado. Convenientemente, a música omite a parte da punição.

Aí está: é próprio da ideologia dos “evangélicos” achar que Deus é obrigado a nos abençoar sem que sejamos punidos por nossas insolências. Todo direito e nenhum dever. Este conceito é a base da “teologia” da prosperidade. E, lógico, é uma contradição gritante com a Doutrina Católica, que diz que a Majestade de Deus é absoluta e que devemos nos contentar com o que Ele se dignar a nos dar.

É óbvio que o Padre Marcelo não seria levado a sério pelo Padre Melo. Como ele quer ser levado a sério quando ele exorta o outro a usar a batina – contrariando a idéia protestante de que o ministro de Deus é um homem comum e qualquer do povo, e por isso não deve usar uma vestimenta distintiva – se ele se derrete todo ao cantar uma música que defende a idéia igualmente protestante de que Deus seria nosso servo?

Como ele quer tirar a trave do olho do Pe. Melo se não tira a trave de seu próprio olho???

3 opiniões sobre “Padre Marcelo e o duplo boicote

  1. Padre Marcelo ,o senhor deveria se preocupar com oque DEUS pensa do senhor e não os homens afinal como vc mesmo disse “quero resgatar ovelhas” e nâo se preocupar em cantar para um homen “papa” ou seja por um exemplo… vc nas missas ja disse para o povo que o inferno é real ??? que as dores que sentiremos no inferno são infinitamente piores doque as que sentimos na terra!?!? Essa humilhação ridicula pela qual o senhor passou não tem comparação e nem chega perto doque aconteceu com JESUS CRISTO NOSSO SENHOR………ACORDA PRA VIDA E ABRE OS OLHOS PADRE!!!!

  2. Esses show padres, como o relativista Fabio de Melo – “cristificação”, “evolução dogmática”, o ex frei Betto “homem fabuloso” e + fábulas – idem, a resposta à “carta aberta ao Pe Fabio de Melo” que lhe fizeram e a outras entrevistas, como no Natal 2012 Globo, tudo na net e os pretensos aconselhamentos à “direção espiritual” na CN e muitas mais situações em que aparecem de tudo: menos espiritualidade digna de sacerdotes compenetrados da fé de Cristo e de sua Igreja, Ele mesmo de há 2 000 anos. Mesmo o pe Marcelo, ao que parece algo relativista com pitadinhas de gnose em seu “Ágape”,baldes de água benta… Evidenciam a quantas estão de aportarem doutrina consistente a partir de si e converterem com segurança a um cristianismo de há 2000 anos, tradicional, bíblico e renúncias pessoais em favor da cruz; o que fazem mais parece cristianismo “água doce”, parecendo-me que ficam mais devotos deles do que mesmo de Cristo.
    O caminho de Jesus é o da cruz.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s