Milagres

O Leitor Iunes Batista me pediu por e-mail que eu falasse sobre Milagres: o que eu penso e se já vi algum. Mas antes, eu devo imensas desculpas ao Iunes, pois o estudo para falar de um tema importante como esse e as tarefas que eu tenho fora do Battle Site fizeram com que este artigo demorasse demais. Perdoe-me por isso.

Primeiro, devemos distinguir três graus de fenômenos, o que é necessário para entendermos o que é um milagre. Existem os fenômenos naturais, que acontecem meramente devido às leis estabelecidas por Deus para a natureza; Existem os fenômenos preternaturais, que são feitos através da ampliação de algumas leis da natureza; E existem os fenômenos sobrenaturais, que estão acima da capacidade de qualquer ser criado.

A título de comparação, podemos dizer que, por exemplo, um animal que ataca quando ameaçado é um fenômeno natural. Já quando um animal faz algo contra seus instintos (como a manada de porcos possuídos pela legião de demônios em Mc V: 1-13 e em Lc VIII: 27-33; ou como a manada de “elefantes cruzados” que vingou a morte de cristãos da Índia, conforme pode ser visto neste artigo do In Prælio), trata-se de um fenômeno preternatural. Porém se um animal fala (como a mula de Balaão em Num XXII: 21-35), isto é um fenômeno sobrenatural. Do mesmo modo, a cura de uma doença (como resfriado, catapora, etc.) é algo natural. A cura acelerada de uma doença que seria curada naturalmente, ou o alívio dos sintomas sem a cura são fenômenos preternaturais. Já a cura instantânea de uma doença ou a cura de uma doença incurável são fenômenos sobrenaturais. E ainda: quando um homem faz pão, com farinha fermento e um forno, isto é algo natural, pois a natureza intelectual do homem permitiu a criação desta técnica. Agora, transmutar pedras em pães é algo preternatural. Já criar pães do nada, como na multiplicação dos pães dos Evangelhos, é algo sobrenatural. Os anjos são capazes de realizar coisas preternaturais, pois têm controle sobre as coisas naturais. Da mesma forma, os demônios também podem com a permissão de Deus, pois conservaram esta capacidade mesmo com a queda. Mas nem os anjos, nem os demônios são capazes de coisas sobrenaturais: só Deus é capaz de atos sobrenaturais.

Com esta distinção bem clara, vamos aos milagres. Os milagres são fenômenos sobrenaturais, que Deus realiza para confirmar alguma intervenção Sua na história. Eu acredito neles primeiro porque a Igreja ensina que eles existem. E segundo porque existem muitas evidências de grandes milagres pelo mundo.

De cara podemos lembrar do Milagre Eucarístico de Laciano, cuja explicação se pode achar aqui e em vários outros lugares na internet. De acordo com esta notícia, um pedaço da carne resultante deste milagre foi analisado em laboratório pelo especialista Dr. Linoli, tendo os resultados sido publicados na revista Quaderni Sclavo di diagnostica clinica e di laboratório. Anos depois estes resultados foram confirmados por uma comissão da OMS.

Outro milagre bem documentado foi o da Dança do Sol em uma das aparições de Nossa Senhora de Fátima, diante de 70 000 pessoas (setenta mil!) e que foi inclusive documentado em jornal da época. O texto da notícia, assim como o scan das páginas do jornal, podem ser vistos aqui. Outro Milagre notório e que acontece todo ano, desde o século VIII, é a liquefação do Sangue de São Genaro, bispo de Benevento que foi martirizado durante a perseguição de Diocleciano. A pedra de sangue está na Catedral de Nápoles e se torna líquida todos os anos no dia 19 de Setembro, festa do santo mártir. Aqui pode ser lida uma notícia sobre isso.

Outro milagre relativamente fácil de ser comprovado é o de alguns corpos de santos que, apesar de terem morrido há muito tempo, não entraram em decomposição. O exemplo mais notável é o do Papa São Pio V, cujo corpo está incorrupto há 438 anos (quatro séculos!) e está exposto em um altar na Basílica Santa Maria Maggiori, em Roma. Outros santos cujos corpos não se decompuseram: Papa São Pio X (exposto num altar na Basílica de São Pedro, no Vaticano), São João Maria Vianney (o Santo Cura D’Ars, exposto em Ars na França) e Santa Bernadeth (exposto no Convento de Gildard, em Nevers na França). Fotos dos corpos destes santos podem ser vistas aqui. E estes são só alguns.

Embora haja todas essas evidências, temos que ter em mente que a discussão sobre a existência dos milagres pode ser muito influenciada pelo modo de pensar das pessoas. Se uma pessoa presume que milagres são impossíveis, se armará de teorias para explicá-los à luz de acontecimentos naturais. O modo como isto acontece é muito bem explicado no livro que eu estou lendo de C. S. Lewis – que a maioria das pessoas conhece como o autor da série infanto-juvenil As Crônicas de Nárnia; poucos sabem que C. S. Lewis foi um grande pensador de inspiração cristã – chamado Milagres: Um estudo preliminar. Além disso, a Igreja ensina que devemos ter cuidado com todos os acontecimentos extraordinários e que milagres só podem acompanhar pessoas verdadeiramente unidas a Deus, conforme está exposto no Compêndio de Teologia Espiritual do Padre Tanquerey. O Papa São Gregório Magno, um dos Pais da Igreja, nos alerta numa Homilia sobre o Evangelho de São Marcos que mais valem os prodígios feitos espiritualmente do que aqueles que são feitos fisicamente, pois os primeiros só podem ser feitos pelas pessoas virtuosas, enquanto os segundos podem ser realizados até prlos maus com a ajuda do demônio.

O que posso dizer da minha experiência pessoal é que eu já estive no Convento da Penha, em Vitória-ES e na Basílica de Aparecida, em São Paulo; e uma coisa em comum entre estes dois lugares que me chamou a atenção é a sala reservada às evidências de pessoas que receberam graças extraordinárias, entre as quais certamente encontram-se alguns milagres. Conheço também um homem que levou um tiro no rosto e sobreviveu de modo admirável. Antes de ser atendido pelos bombeiros ele foi consolado por uma mulher, que ele não conseguiu ver devido ao seu ferimento e que ninguém soube depois quem era. Acreditamos que foi Nossa Senhora que cuidou dele e algo que reforça esta crença é o fato de ele ter se convertido e se tornado um bom católico, juntamente com sua esposa e filhos. Ele foi meu padrinho de casamento, inclusive. Houve também uma vez em que tive que preparar as meditações e os cantos de uma hora santa diante do santíssimo na Igreja. Durante a cerimônia eu não comunguei, porém quando eu cheguei em casa, ao sentar na cama reparei que eu estava com um pedaço da Comunhão na boca.

Quero deixar claro que não tenho interesse em fazer ninguém acreditar que estes dois últimos relatos foram milagres, principalmente porque só quem pode afirmar o que é milagre ou não é a Igreja, e porque eu não merecia presenciar um milagre com a Santíssima Eucaristia naquela época como não mereço hoje. Quero apenas chamar a atenção para o fato de que coisas extraordinárias – entre elas os milagres – realmente acontecem. Mas seu real valor está em nos levar para Deus: o atentado sofrido por meu padrinho foi uma ponte para sua conversão, e o acontecimento com a Eucaristia fez com que eu prestasse especial atenção ao estudar o Catecismo de São Pio X, na parte em que ele fala das disposições para receber a Comunhão, e constatar tristemente que hoje muitas pessoas não atendem estas disposições.

Espero que meu humilde artigo tenha ajudado. Qualquer dúvida ou comentário é só falar.

10 opiniões sobre “Milagres

  1. Diogo, cada vez você nos surpreende mais com suas publicações.
    Lembro que você me explicou algumas coisas sobre milagres. Tem gente que não diferencia esses três fenônemos e pensam que tudo é milagre, era o que eu fazia.
    Achei interessante também suas experiências pessoais.
    Tenho a contar um caso que acho que cabe como fenômeno preternatural…
    Quando era pequeno tinha uma alergia na perna que penso que era causada por causa da bronquite. Uma vez chegou uma sra. católica, amiga de minha mãe, na casa onde morávamos e minha mãe relatou sobre aquela alergia. A caridosa sra. vendo aquilo pediu licença à minha mãe para rezar a Deus, junto a mim. Disse para eu acreditar que seria curado. Passou-se uns dias e aquela alergia que permanecia anos, desapareceu. Eu acredito que a cura foi acelerada.

    Pax!

    • Caríssimo Nelson, Laudetur Dominus!

      Que legal ter você aqui comentando no Battle Site! Espero que venha sempre!

      A caso que você conta da alergia realmente é uma graça extraordinária. Pelo que você relata parece ser um fenômeno preternatural. A não ser que a alergia fosse algo que não se curaria normalmente. Sempre que um evento assim acontece conosco devemos dizer que recebemos uma graça extraordinária, ou uma graça admirável. Se tivermos interesse em saber se o que nos aconteceu foi realmente um milagre, devemos submeter este julgamento à Igreja, que realizará uma investigação prudente, ponderada, cautelosa, para emitir um juízo correto.

      Pax et Salutis

  2. Muito bom o texto.

    Pelo que explicaste, podemos então considerar que os milagres realizados pelo Santos em vida também estava intimamente ligados com os dons naturais,preternaturais e sobrenaturais?

    E quanto ao ditos milagres nos meios não Católicos? Essa é uma questão que me entriga bastante, mas que ainda não tive chance de estudar a fundo.

    Lembro do amigo Oswaldo do “Cai a Farsa” que sempre afirma que milagres só na Igreja Católica.

    Se puder comente a respeito.

    Pax et bonvs!

    • Caríssimo Jefferson, Laudetur Dominus!

      Obrigado pelo elogio!

      Os milagres que os santos realizaram em vida o são justamente porque a Igreja nos assegura que é assim. Se a Igreja nos assegura que foram milagres, é porque foram eventos certamente sobrenaturais, possíveis apenas devido ao que chamamos de união hipoestática com Deus. Esta união com Deus acontece na terceira (e última!) etapa da via ascética, chamada por isso mesmo de etapa unitiva.

      No compêndio do Pe. Tanquerey é ensinado a distinguir toda espécie de fenômenos místicos verdadeiros do que ele chama de “fenômenos mórbidos”. São regras precisas, nada daquela conversinha de que “você sente quando é de Deus”. O Pe. Tanquerey, talvez até baseado em um sermão de São Gregório Magno, liga os fenômenos místicos verdadeiros somente à ascese católica e só nessa última etapa (unitiva).

      Por causa da ignorância, o “povo miúdo” acha que qualquer coisa extraordinária é milagre. Mas nós sabemos que se a Igreja não se pronuncia positivamente quanto a isso, essas coisas podem bem ser apenas chalatanismo, histeria, sugestão, etc. Nos piores casos podem mesmo ser fenômenos preternaturais com o auxílio do demônio.

      O Oswaldo está correto e a lógica para isso é bem simples: se milagres são uma confirmação da intervenção de Deus, uma confirmação de que Deus está presente e age, não pode haver milagres fora da Igreja Católica, pois Deus não confirmaria ninguém no erro.

      Pax et Salutis

  3. Muito interessante este artigo, filhote, e tb muito esclarecedor. Principalmente hoje em dia em que proliferam numa velocidade meteórica as “igrejas ditas cristãs” que prometem milagres instantâneos em celebrações frenéticas. E que levam muitas pessoas de boa fé a se iludirem ao presenciarem esses “milagres” que na sua maioria, pra não dizer sua totalidade, são apenas espetáculos de charlatanismo e encenação teatral, visando o lucro, ou seja: quanto maior a oferta, maior será o seu “milagre”. É uma pena que poucas pessoas tenham esse discernimento. Beijinhos Carinhosos. Que Deus te abençoe.

  4. Olá, Captare.

    Já li um artigo interessante sobre este assunto, que serve como leitura complementar.

    Está no antigo site do Veritatis: http://www.veritatis.com.br/article/5701

    Caso o artigo tenha saído do ar (pois este site está sendo remodelado), uma alma caridosa reproduziu o conteúdo deste artigo no link: http://frankmatos.blogspot.com/2009/06/os-milagres-na-igreja-catolica-uma.html

    É claro que nossa fé não deve se basear em intervenções divinas mas na esperança da salvação; entretanto é uma alegria aos católicos saber que só na verdadeira Igreja de Cristo o milagre verdadeiro acontece.

    Um abraço fraternal!

    • Caríssimo Leandro, Laudetur Dominus!

      Muito obrigado pela indicação. Ela pode ficar, realmente, como leitura complementar.

      A cura de Pierre De Ruder é um ótimo exemplo do que seja um milagre verdadeiro. Só uma pequena correção que eu faço ao texto: a parte que ficou incorrupta do corpo de Santa Teresa D’Ávila não foi o coração e sim o braço. Isto se deve por ela tê-lo usado para realizar a reforma de sua ordem religiosa. Assim como a língua de Santo Antônio permaneceu incorrupta (ele foi um grande pregador), permaneceu também o braço da santa.

      Pax et Salutis

    • Caríssimo Iunes, Laudetur Dominus!

      Não há de quê! Eu é que devo agradecê-lo pela oportunidade de falar do tema. É sempre um prazer ajudar as pessoas a conhecerem mais sobre Deus e sobre as coisas d’Ele.

      Pax et Salutis

  5. amigo vou te enviar é que foi feio quase rasguei e minha família tá pensando que é doideira.
    mas aguarde vou te mostras tudo ele fez eu estragar o meu computador mas falo com mais cal a minha cabela tá girando. pode acredtiar. aguarde.
    agora ele me deixanram que ffiram como ele fala. voz grossa.
    um abraço do acabado.
    mas vou entra em, com tanto. ok.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s